Posts made in julho, 2014

QUANTO CUSTA TER UM FILHO?

Posted by on 15 / jul / 2014 in Dicas de Prima | 0 comments

 

Volta e meia escutamos que trazer um filho ao mundo não é fácil e que criá-lo pode ser mais difícil e caro do que parece. Não se trata de palavras sem fundamento! Realmente a gestação, stomach criação e educação de um filho podem pesar no bolso e justamente por isso, são responsabilidades que demandam muito planejamento financeiro.

Pais e mães do mundo inteiro são enfáticos ao afirmar que depois que um filho nasce, a vida muda.Que nada permanece no lugar e que as prioridades são outras. O fato é que toda essa revolução começa a acontecer antes mesmo do parto.

Se você pretende ter um filho, prepare-se para as grandes mudanças que acontecerão na sua vida! Se você já tem, pegue o lápis e a calculadora, pois para prover as necessidades básicas dele é necessário ter disciplina e planejamento.

O custo total para cuidar de um filho até a idade adulta pode atingir valores bastante altos, a depender da renda dos pais, do padrão de vida da família e das suas prioridades financeiras. Quer saber quanto dinheiro você precisa para ter filhos? Então acompanhe o nosso artigo!

VOU TER UM FILHO. E AGORA?

Agora é se organizar e economizar mais do que nunca. De acordo com o INVENT, filhos podem custar entre um e dois milhões para pais de classe alta. Mas não precisa se desesperar! Embora saiam caro também, os filhos de classe média e classe média alta custam aos seus pais entre R$ 320.400 e R$ 640.920. Isso é o equivalente a um bom imóvel, uma gorda poupança ou uma frota de até 20 carros populares.

Investimentos dessa proporção dificilmente podem ser feitos da noite para o dia e com os filhos também é assim. Os gastos e aplicações são graduais e é justamente aí que a programação financeira se torna imprescindível, afinal, no investimento com os filhos há tempo para se planejar e priorizar os gastos em cada fase da vida deles.

PLANEJAMENTO E GESTAÇÃO

O ideal é que a chegada de um bebê seja planejada, a fim de que essa fase seja mais tranquila e prazerosa para os pais. Os especialistas recomendam que as questões que possam vir a se complicar com o nascimento do filho sejam resolvidas antes da gestação. Nessa lista de resoluções, devem ser priorizados os eventuais reparos na casa, a quitação de dívidas e também a abertura de uma poupança. O casal deve considerar também o tempo em que a mãe se ausentará do trabalho e verificar se a renda familiar é suficiente para cobrir os gastos da gravidez.

Investir em um bom plano de saúde (R$ 190 a R$ 560,00 mensais) pode ser uma ótima estratégia, pois os planos cobrem as consultas mensais (R$ 100 a R$ 300,00) e exames que podem custar até R$ 2.000. É comum também que ele cubra a internação da gestantes (R$ 800 a R$ 10.000) e o berçário (R$ 1.000). Ainda assim é preciso preparar o bolso para as despesas extras, como por exemplo, os testes de tipagem sanguínea e o teste do pezinho (total de R$ 150,00 em média). Além disso, o planejamento é fundamental, pois existe um período de carência para poder usufruir dessa cobertura.

ENXOVAL, DECORAÇÃO E VESTUÁRIO

Durante a gestação, os pais ganham presentes que acabam dando uma força a mais nessa fase de tantos gastos. Fraldas, banheiras, bebê conforto e carrinho são alguns dos presentes mais comuns e a economia pode passar de R$ 3.000 se eles forem recebidos espontaneamente, sem a realização dos tradicionais chás de bebê. Em muitos casos, esse evento acarreta custos altos e acaba tendo um caráter exclusivamente comemorativo, considerando que os pais gastam mais do que ganham na realização dos chás.

Quanto à decoração de um quarto de bebê, ela costuma custar entre R$ 2.000 e R$ 10.000, desde os móveis, passando pelos itens como mosqueteiros e chegando aos artigos decorativos como pelúcias, nichos, tapetes e móbiles. As reformas e adaptações no quartinho também fazem a conta subir, mas se o papai usar as habilidades de pintor e a mamãe atuar como decoradora, a economia acaba sendo grande, já que os gastos com mão de obra especializada podem passar de R$ 3.000.

Diferentemente dos gastos com decoração, as despesas com vestuário são contínuas e incluem a compra de roupas, calçados e acessórios. De acordo com Adriano Amui, o valor investido nesse tipo de aquisição varia de R$ 45.000 a R$ 148.896 (filhos de classe média e classe alta).

Que pai não gosta de ver o filho bonito e bem arrumado? Esse desejo é válido, mas não deve sobrepor à razão. É preciso ter equilíbrio para comprar realmente o que o filho precisa e adequar os gastos com vestuário à realidade da família. É possível ter bom gosto e fazer excelentes compras de forma econômica. Outra dica bacana é não comprar tamanhos pequenos demais, pois os filhos crescem rápido.

ALIMENTAÇÃO, SAÚDE E BEM-ESTAR

Logo nos primeiros dias de vida de um filho, a conta da farmácia pesa no orçamento. Vários pacotes de fralda, produtos de higiene e eventuais remédios para a mãe e o bebê podem totalizar gastos de até R$ 300 por mês. Para não ver as cifras subirem, é melhor torcer para não haver necessidade de comprar leite especial, pois a lata custa em torno de R$ 50. A suplementação para a mãe em caso de anemia também custa caro.

O tempo passa e os gastos com saúde não diminuem. Soma-se a essa conta o plano de saúde, gastos com dentista, pediatra e necessidades particulares de cada criança. Além disso, atividades de promoção do bem-estar começam a ser inseridas na rotina da criança e nesse caso é importante se preparar para mensalidades como aula de natação, balé e futebol.

Do leite de cada dia ao fast food na adolescência, a alimentação de um filho não sai barata, variando entre R$ 42.000 e R$ 126.000 (de 0 a 22 anos). O valor gasto com comida depende da renda familiar e dos hábitos alimentares do filho. Caso ele tenha alguma intolerância, certamente os gastos mensais com alimentação sobem.

CRECHE E FASE ESCOLAR

Nos anos iniciais da vida de uma criança, ela precisa de atenção redobrada e ninguém oferece isso melhor do que os próprios pais. Mesmo assim, em muitas situações a mãe tem que retornar ao trabalho logo após a licença-maternidade, a fim de complementar a renda da família e a saída nesse caso acaba sendo as creches e escolinhas. Mais um gasto!

A mensalidade varia de R$ 200 a R$ 2.000, a depender da localização do estabelecimento. Quanto mais atividades extracurriculares, maior será o valor pago para manter seu filho em um lugar seguro e bem conceituado. A conta fica ainda maior quando são acrescentados os gastos com materiais escolares, uniformes e festinhas. Prepare o bolso!

LAZER  E ENTRETENIMENTO

Nem só do suprimento de necessidades básicas viverá um filho! Segundo o INVENT,  os pais podem gastar entre R$ 36.600 até 160.723 com brinquedos e tecnologia. Além disso, imagine quanto se gasta com academia, clube, cinema, viagens, festas de aniversário e passeios até que um filho complete 23 anos! De acordo com os cálculos do próprio INVENT, as cifras variam de R$ 94.800 a R$ 421.024. Muito, não?

GASTOS ACADÊMICOS

Quando se inicia a vida adulta, os gastos podem se intensificar, especialmente no que diz respeito aos investimentos em educação. Os custos não incluem apenas a mensalidade de faculdades privadas, mas também as apostilas, livros, materiais escolares, palestras, cursos e workshops. Mesmo os filhos que estudam em universidades públicas, acarretam gastos com transporte, atividades extracurriculares e materiais complementares.

De acordo com o economista Mauro Halfeld, baseado em dados da Fipe – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, 11% do orçamento familiar é destinado à educação, sendo que 80% desses gastos são decorrentes da educação dos filhos.

Se o filho morar com os pais o gasto é expressivo, porém é possível economizar muito mais do que se o filho fizer faculdade em outra cidade. Para o consultor  Ricardo Betti, bancar um filho que faz faculdade fora não custa menos de R$ 250.000, se considerarmos gastos com mensalidade, alimentação,transporte e moradia.

Certamente, as alegrias que se tem com um filho são incalculáveis, mas os gastos e responsabilidades de trazer alguém ao mundo devem ser bem calculados! Dessa forma, pais e filhos podem ter uma vida tranquila, que só é possível com muito planejamento e organização.

Afinal, para ter um filho, alem de todo amor, é preciso se planejar financeiramente.

Um abraço a todos

Read More